sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Hp Descontinua Produção de Tablet

A HP está abandonando o negócio de smartphones e tablets, e fazendo spin-off da divisão de PCs. O TouchPad, lançado há menos de dois meses, será descontinuado

São Paulo — A HP surpreendeu o mercado, hoje, com uma série de anúncios bombásticos. Entre eles, está a notícia de que a empresa está descontinuando seu tablet TouchPad, lançado há menos de dois meses nos Estados Unidos. A empresa  também está abandonando o mercado de smartphones. 

Essas notícias chegam junto com outras duas. A primeira é que a maior fabricante de computadores do mundo vai  fazer um spin-off da sua divisão de PCs, um produto em que as margens de lucro são notoriamente baixas. Continuam com ela as impressoras e os equipamentos de armazenamento. A segunda notícia é que a HP  quer reforçar sua área de software corporativo com a aquisição da britânica Autonomy, que já está sendo negociada.


Planos grandiosos


A HP chegou a anunciar planos grandiosos para o TouchPad antes do seu lançamento, no dia 1º de julho. A empresa vinha desenvolvendo um tablet com o formato atual anos antes do anúncio do iPad, da Apple. Por isso, acompanhar o incrível sucesso da rival deve ter sido uma experiência amarga para os diretores da HP. Em janeiro do ano passado, o tablet Slate, criado por ela, foi exibido por Steve Ballmer, da Microsoft, durante a feira CES, em Las Vegas. Era um formato de computador que nunca havia tido sucesso até então, mas que prometia, enfim, decolar.


O sucesso, como previa Ballmer e o pessoal da HP, veio, mas não para eles. Menos de um mês depois, o outro Steve, o Jobs, subiu ao palco para apresentar o iPad e tudo mudou. Mas a HP não desistiu e o TouchPad seria sua nova tentativa nessa área. O produto seguiu o modelo da a Apple, com soluções tecnológicas exclusivas e controle rígido tanto o hardware como o software. Mas criar um novo iPad, com um ano e meio de atraso em relação à Apple, é algo que muitos descreveriam como uma proposta suicida. 

Em seu comunicado oficial, a HP diz que vai “continuar explorando opções para explorar o valor do software WebOS”. Essa frase pode ter sido incluída no texto numa tentativa (inútil, é claro) de tranquilizar os desenvolvedores que criam aplicativos para o sistema operacional móvel. Ou pode ser que a HP tenha esperanças de licenciar ou vender esse software para alguma outra empresa. É pouco provável que ela consiga. Apesar de ser tecnicamente avançado, o WebOS conta com poucos aplicativos e tem base instalada pequena. Por isso, parece ser uma opção nada atraente para um fabricante de smartphones ou tablets.


O WebOS foi originalmente desenvolvido pela Palm, que foi adquirida pela HP em 2010, por 1,2 bilhão de dólares. A morte do sistema e dos dispositivos móveis da HP põe fim a uma linhagem de produtos – alguns muito bem sucedidos – que começou em 1997, com o PalmPilot. O pequeno dispositivo da Palm foi um dos primeiros assistentes pessoais digitais (PDAs) a fazer sucesso de verdade. Ele popularizou a tela sensível ao toque e o reconhecimento de escrita.


Bem sucedida nas era dos PDAs, a Palm ficou para trás na transição para os smartphones. A empresa trocou de dono várias vezes (pertenceu à US Robotics e à 3Com), foi dividida em duas, uniu-se à Handspring e terminou nas mãos da HP. Quando isso aconteceu, a Palm já estava em acentuada decadência e tinha pouco a oferecer. Se, na época, já surgiu a suspeita de que a HP estava jogando dinheiro fora, agora isso está confirmado.

 

Configurando Jpa Com Hibernate

Neste post vou mostrar o básico para fazer funcionar o JPA  com hibernate , utilizando o hsqldb, que é um banco de dados leve e muito bom para testes de desenvolvimento.
Inicialmente precisaremos das bibliotecas do hibernate que nesta versão já vem com as do JPA 2, porém isso não influenciará muito nessa configuração básica caso esteja usando o JPA. Agora crie uma pasta lib para colocar os .jar e adicione-os ao build path do projeto.
O segundo passo é criar a nossa Persistence Unit, que provê a definição do contexto de persistência, contendo os metadados relativos a tal.


Para isso deve ser criado um arquivo XML chamado persistence.xml e deve ser colocado dentro da pasta META-INF dentro da sua pasta de códigos fontes, no eclipse, utilizando a configuração default ficaria :  “src/META-INF/persistence.xml” . Este arquivo ficará com a seguinte configuração :
<?xml version="1.0" encoding="UTF-8"?>
<persistence xmlns="http://java.sun.com/xml/ns/persistence"
xmlns:xsi="http://www.w3.org/2001/XMLSchema-instance"
xsi:schemaLocation="http://java.sun.com/xml/ns/persistence http://java.sun.com/xml/ns/persistence/persistence_2_0.xsd"
version="2.0">
    <persistence-unit name="pu" transaction-type="RESOURCE_LOCAL">
        <provider>org.hibernate.ejb.HibernatePersistence</provider>
        <properties>
            <property name="hibernate.dialect" value="org.hibernate.dialect.HSQLDialect" />
            <property name="hibernate.connection.url" value="jdbc:hsqldb:hsql://localhost/nomedobanco" />
            <property name="hibernate.connection.driver_class" value="org.hsqldb.jdbcDriver" />

            <property name="hibernate.connection.password" value="senha" />
            <property name="hibernate.connection.username" value="usuario" />

            <property name="hibernate.archive.autodetection" value="class"/>
            <property name="hibernate.hbm2ddl.auto" value="update" />
            <property name="show_sql" value="true" />
            <property name="format_sql" value="true" />

        </properties>
    </persistence-unit>
</persistence>
Obs.: Caso esteja utilizando o JPA  troque a linha da tag <persistence> por:
<persistence version=”1.0″
xmlns=”http://java.sun.com/xml/ns/persistence” xmlns:xsi=”http://www.w3.org/2001/XMLSchema-instance”
xsi:schemaLocation=”http://java.sun.com/xml/ns/persistence http://java.sun.com/xml/ns/persistence/persistence_1_0.xsd”>
Feito isso precisamos agora configurar como pegar o EntityManager, que é uma interface para interagir com o contexto de persistência.
Para isso criaremos um singleton que através da fábrica EntityManagerFactory pegaremos uma nova instância de EntityManager caso não tenha nenhuma aberta, ou retornará a que já está aberta. Será criada a classe JPAUtil:
import javax.persistence.EntityManager;
import javax.persistence.EntityManagerFactory;
import javax.persistence.Persistence;

public class JPAUtil {
      private static EntityManagerFactory emf = null;
      private static EntityManager em = null;

      public static EntityManagerFactory getEntityManagerFactory() {
            if (emf == null)
                 emf = Persistence.createEntityManagerFactory("pu");
            return emf;
      }

       public static EntityManager getEntityManager() {
             if (em != null && em.isOpen())
                   return em;
             else {
                   em = getEntityManagerFactory().createEntityManager();
                   return em;
             }
       }

}
Isso já basta para testar se está funcionando, a conexão com o banco. Para testar agora criaremos uma classe de testes utilizando o JUnit para verificar se está tudo ok. Criaremos a classe JPATest:
import static org.junit.Assert.*;

import javax.persistence.EntityManager;
import javax.persistence.EntityTransaction;

import org.junit.Test;

public class JPAtest {
	@Test
	public void testaConexaoJPA() {
		EntityManager em = JPAUtil.getEntityManager();
		EntityTransaction transaction = em.getTransaction();
		transaction.begin();
		transaction.commit();
		boolean isconectado = em.isOpen();
		em.close();
		assertTrue(isconectado);
	}
}
Pronto, se tudo estiver correto ficará verde o teste do JUnit. Em outro post mostrarei como implementar um DAO para JPA.

Admin: Bruno

Olá Galera! muito grato por estarem acessando nosso blog. Espero que seja possível transmitir de forma compreensível um pouco de meus conhecimentos em programação, para esta comunidade de desenvolvedores que cresce cada vez mais! Espero que Gostem! Abraço! E meu enorme obrigado à Renato Simões, Átila Soares,Wanderson Quinto, Emerson e a toda galera que sempre ajudou meu sincero obrigado....
Especialmente a Natalia Failache e Rita de Cassia que sempre apoiaram este sonho....

De seu amigo Bruno Rafael.