sexta-feira, 1 de julho de 2011

O seu próximo trabalho: desenvolvedor de aplicações Mobile?

Com as empresas lutando para criar aplicativos móveis, há uma corrida do ouro  para desenvolvedores dispostos a reequipar suas habilidades técnicas e adotar uma concepção nova de mentalidade....


Bruno Rafael.
Revisado.


Como a demanda de mercado surge para aplicativos  iOS ,Android , sistema operacional que é a próxima onda de dispositivos inteligentes, as empresas estão enfrentando uma escassez  de desenvolvimento móvel . Para profissionais de TI com habilidades de programação, essa lacuna representa uma nova oportunidade de embarcar em uma reforma da carreira.
Para colocar a demanda em perspectiva, consideramos que a Apple acumulou 1,78 bilhões dólares em vendas  de apps em 2010,  vendas globais de aplicativos móveis estão previstas para atingir US $ 4 bilhões este ano, de acordo com a IHS pesquisador de mercado.
[Confira relatório InfoWorld sobre os mais quentes seis novos postos de trabalho em TI e também descobrir por que Johnny não pode programa - e como isso pode mudar . | Receba as notícias de desenvolvimento de software e percepções demundo InfoWorld Desenvolvedor boletim . ]
Quem está desenvolvendo os aplicativos? No seu recente  estudo"Crunch Talent América Tech" , TI Dice descobriu que vagas de emprego para os desenvolvedores Android dispararam 302 por cento no primeiro trimestre deste ano em relação ao primeiro trimestre de 2010; anúncios para iPhone relacionados com empregos subiram 220 por cento no mesmo período.
Um site para freelancers,mostra relatórios de demanda comparáveis: No primeiro trimestre de 2011, havia 4.500 empregos desenvolvedor móvel postado no site - um aumento de 101 por cento sobre o número de anúncios de trabalho semelhante no mesmo trimestre do ano passado .
O número total de anúncios de emprego no site expandiu a uma taxa de 52 por cento nesse mesmo período, indicando que o desenvolvimento móvel como um segmento de carreira pode estar crescendo duas vezes mais rápido que      
                                                                                                                      Android HoneyComb
o mercado de trabalho global, de acordo com Ellen Pack, vice-presidente de marketing da Elance.com.
Não é apenas as empresas de tecnologia que estão à espreita para o talento de desenvolvimento móvel. Hoje, todos os tipos de empresas de produtos e serviços estão lutando para sair com os aplicativos, assim como, há pouco tempo, eles estavam trabalhando para estabelecer uma presença em sites de redes sociais.
"Tornou-se uma das caixas que você tem que verificar a ser uma marca de sucesso", diz Pack. E que traduz a realidade em demanda reprimida para desenvolvedores de aplicativos. "É uma daquelas áreas onde há mais demanda que oferta, porque não há bastante grandes desenvolvedores móveis lá fora".
Embora existam vários desenvolvedores de Web e talentosos em desenvolvimento Java, profissionais com experiência de construção de aplicativos nativos para o iPhone da Apple ou iPhone , ou para o BlackBerry ou qualquer um dos dispositivos mais recentes Android, estão em falta por causa da relativa novidade dessas plataformas.

Observadores do mercado dizem que é a capacidade de compreender novas regras de utilização móvel, e não simplesmente a capacidade de dominar as habilidades de programação, que separa os que têm uma afinidade para desenvolvimento móvel daqueles que simplesmente não entendem.
"Quando você está construindo aplicações Web, [vocês] têm todo o desktop. Existem coisas que você pode fazer sair com o ponto de vista do design que simplesmente não se traduzem em um dispositivo móvel", observa Eric Knipp, analista do Gartner especializado em Web e computação em nuvem . "Não se trata apenas de fazer as coisas menores ou coisas dividindo-se em telas separadas. Desenvolvedores têm sido treinados para pensar que mais recursos equivale a aplicações melhor, mas em dispositivos móveis, que simplesmente não é verdade."

Google anuncia o Android "Ice Cream Sandwich"

Fala Galera!!! Notícia quentíssima!!!

Estava Pesquisando pela net e descobri que a Google lançou sua nova versão do Android, o Ice Cream Sandwich.


Acabou o mistério em relação ao futuro das versões distintas do sistema operacional do Google para plataformas móveis. A gigante de buscas anunciou nesta terça-feira (10), durante a conferência para desenvolvedores Google I/O em San Francisco, nos Estados Unidos, a versão “Ice Cream Sandwich” (na tradução livre, “sanduíche de sorvete”) para Android. Antes disso, porém, chegará a atualização 3.1 do “Honeycomb”, antes exclusivo para tablets e agora disponível também para o Google TV.
Google Android 3.1 (Foto: Divulgação)Google Android 3.1 (Foto: Divulgação)
Entre as novidades, o Ice Cream Sandwich deverá reunificar as plataformas, servindo tanto para smartphones quanto para tablets – daí o nome incluir a palavra “sanduíche”. A chave para se adequar a cada ambiente e tamanho de tela é uma reconfiguração inteligente, que reconhece cada fator, como uma barra de status de tamanho variável.
Algumas adições ao sistema serão o reconhecimento de faces e mudança de foco no aplicativo de câmera e o reconhecimento de voz – este último um dos grandes trunfos do Android em relação ao iOS, da Apple. O Ice Cream deverá ser disponibilizado ainda este ano, no último trimestre, possivelmente em novos aparelhos ainda não anunciados.
Já o Honeycomb 3.1 deverá chegar muito mais rápido, ainda nesta terça-feira para os usuários do tablet Xoom ,da Motorola, no modelo 3G da operadora norte-americana Verizon. Entre as novidades está a possibilidade de redimensionar os widgets e um novo modo de servidor que permite importar fotos para o aparelho diretamente de uma câmera digital. Mas a principal adição é a possibilidade de conectar qualquer dispositivo por meio da porta USB, incluindo joysticks de Xbox 360 e PlayStation 3.

O Google prometeu incluir o novo aplicativo Movies, que permite o aluguel de milhares de filmes por meio da Android Market. Aliás, para quem gosta de ser o próprio cineasta, agora há o aplicativo Movie Studio, que permite editar vídeos. Além disso, aplicativos já existentes, como o Books e mesmo o navegador (que ganhou um menu de controles rápidos), foram melhorados e agora estão rodando mais rápidos, segundo a empresa.


Essa versão 3.1 deverá chegar também a os equipamentos do Google TV, possibilitando aplicativos e utilização plena dos hardwares de empresas como a Samsung, Vizio, Logitech e Sony. Ainda não há informações sobre quando outros tablets fora a versão 3G do Xoom receberão a atualização do Android, mas o Galaxy Tab 10.1 deverá ser agraciado com o software “nas próximas duas semanas”. Esperamos que usuários brasileiros possam aplicar o update tão logo para conferir as novidades.
Fonte: http://www.techtudo.com.br/noticias/noticia/2011/05/google-anuncia-o-android-ice-cream-sandwich.html

Veja Também: Desenvolvendo Aplicações Android

Android Parte II: Nossa Primeira Aplicação

E ai Cambada de Javadores!!!!

Eu Bruno Rafael, estava estes dias dando uma estudadeeeenha e cheguei a conclusão que devia repassar a vocês um exemplo simples de como trabalhar com google Android.


Não conhecem??? É esse carinha aqui do lado ó >>>>>

Vamos lá a nossa AULAAAAA!!!

obs: Levarei em consideração que você já possui o ADT instalado com o plugin do Eclipse...

Introdução

O Android é a nova plataforma do Google voltada para dispositivos móveis. Em 5 de novembro de 2007, a empresa tornou pública a primeira plataforma Open Source de desenvolvimento para dispositivos moveis baseada na plataforma Java com sistema operacional Linux, na qual foi chamada de Android. Essa plataforma é mantida pela OHA (Open Handset Alliance), um grupo formado por mais de 30 empresas as quais se uniram para inovar e acelerar o desenvolvimento de aplicações, serviços, trazendo aos consumidores uma experiência mais rica em termos de recursos, menos dispendiosa em ternos financeiros para o mercado móvel.pode-se dizer que a plataforma Android é a primeira plataforma móvel completa, aberta e livre.


Criando a nossa primeira aplicação em Android
Agora vamos criar um novo projeto Android indo no menu “File” / “New” / “Other”. Selecion o projeto Android conforme figura abaixo. Depois de selecionar, clique em “Next”:



Após clicar em “Next” na figura acima, será exibida uma tela conforme figura abaixo. Vamos chamar o nosso projeto “Project name” de ProjetoAndroid. Em “Package name” vamos digitar “com.android.hello”. Em Activity name digitaremos “AppHello” e em “Application name” digitaremos “App Hello World”, é só conferir na figura abaixo. Depois é só clicar em “Finish”.



Pronto! Nosso projeto foi criado. Em Package Explorer, vamos dar uma olhada na estrutura do Projeto, simplesmente clicando no botão “+”. É só seguir a figura abaixo, aproveite e abra o arquivo AppHello.java , também conforme figura abaixo:



dentro da pasta ProjetoAndroid existe uma pasta chamada “src”, dentro dela é que ficam os códigos fonte java das aplicações. Observem que o arquivo AppHello.java se encontra dentro do pacote “com.android.hello” (Esse pacote também é uma pasta). Esse arquivo é a nossa aplicação Android. Vou
descrever em detalhes o arquivo AppHello.java (Veja o código abaixo):


Diferentemente das aplicações comuns de Java, toda classe para aplicação Android deve ser derivada da classe Activity (Atividade) e possui como método principal, o método onCreate. Dentro desse método ele invoca o método onCreate da super classe passando mesmo parâmetro (o icicle), logo após esse método, vem o método setContentView, responsável por exibir a tela da minha aplicação , baseado nos layouts xml, por padrão ele chama o arquivo “main.xml”. 
Dentro da pasta ProjetoAndroid existe um diretório chamado “res”, onde ficam armazenados todos os recursos utilizados pela aplicação. Dentro do diretório “res” existem três diretórios, cada um deles com uma finalidade, que descreverei agora:

- O diretório drawable armazena todas as imagens que irei utilizar na minha aplicação. Por padrão , ele tem uma imagem chamada “Icon.png”, que é usada como ícone da aplicação Android.

- O diretório layout armazena todas os layouts da aplicação Android, que normalmente são arquivos “.xml”. Para quem conhece a combinação HTML + JavaScript, o Android é similar, é a combinação de XML + Java, logo todos os nosso componentes vão ser adicionados usando tags XML. Por padrão, o arquivo de layout é o main.xml. Veja o seu código abaixo:


<?xml version="1.0" encoding="utf-8"?>
<LinearLayout
xmlns:android="http://schemas.android.com/apk/res/android"
android:orientation="vertical"
android:layout_width="fill_parent"
android:layout_height="fill_parent"
>
<TextView
android:layout_width="fill_parent"
android:layout_height="wrap_content"
android:text="Hello World, AppHello"
/>
</LinearLayout>


Observe que após o a primeira linha (prólogo xml), existe uma tag chamada LinearLayout, responsável por organizar os componentes exibidos na tela, por padrão os componentes são distribuídos na vertical pelo atributo android:orientation="vertical".
Dentro desta tag, existe uma chamada TextView, que representa um texto a ser exibido na tela , por padrão, ele irá exibir “Hello World, AppHello” atrvés do atributo android:text="Hello World, AppHello".

- O diretório values armazena valores estáticos que podem ser utilizados por um arquivo “.XML”. Normalmente esses valores estáticos devem ser armazenados no arquivo “strings.xml”. Veja o código desse arquivo abaixo :




<?xml version="1.0" encoding="utf-8"?>
<resources>
<string name="app_name">App Hello World</string>
</resources>

Observem que dentro desse arquivo eu declaro um valor estático chamado app_name, cujo valor é App Hello World.

Dentro da pasta ProjetoAndroid, existe um arquivo chamado “AndroidManifest.xml” , esse arquivo é o sistema nervoso de uma aplicação em Android. É nele que ficam as definições referentes à aplicação. Veja o código dele abaixo:

<?xml version="1.0" encoding="utf-8"?>
<manifest xmlns:android="http://schemas.android.com/apk/res/android"
package="com.android.hello">
<application android:icon="@drawable/icon">
<activity android:name=".AppHello"
android:label="@string/app_name">
<intent-filter>
<action android:name="android.intent.action.MAIN" />
<category
android:name="android.intent.category.LAUNCHER" />
</intent-filter>
</activity>
</application>
</manifest>


Observem algumas tags interessantes. A tag <application> possui o atributo android:icon, no qual especifico o ícone da aplicação. Como havia citado anteriormente, todas as imagens ficam no diretório drawable e nesse diretório existe um arquivo de chamado “icon.png” que será o ícone da minha aplicação. Logo, para usar esse ícone neste atributo, deve-se passar o valor “@drawable/icon” .Observem que quando informamos o ícone, ele deve ser informado sem a extensão (nesse caso, PNG). Observem agora a tag <activity>, ela define uma atividade (Activity),.

Dentro desta tag, eu possuo o atributo chamado android:label que define o título da minha aplicação. O título que será exibido e o valor que está armazenado no valor estático app_name. Isso é obtido pela atribuição android:label="@string/app_name".

Como havia falado a aplicação Android nada pais é do que a combinação Java + XML. Agora, como um código Java vai acessar um componente que está escrito em XML ? Ah, essa é a finalidade do arquivo R.java, ele funciona como uma “interface” entre o código Java e o código XML, logo, se eu quiser
manipular em tempo de execução um componente via Java, tenho que fazer interface com esse arquivo. Em breve vamos ver como.

OBS: O arquivo R.java não pode ser modificado manualmente. Ele é modificado automaticamente de acordo com as mudanças feitas no projeto.

Vamos executar nossa aplicação. Va no Run / Open Run Dialog. Será aberta uma caixa de diálogo com vários itens. Clique com o botão direito do mouse no item “Android Application” e selecione a opção New, conforme a figura abaixo:




Feito isso, na propriedade name ao lado digite AppAndroid. Em project selecione o projeto que criamos em clicando no botão Browse, com o nome de ProjetoAndroid. E por último, em Activity, selecione a atividade
“com.android.hello.AppHello”. Qualquer dúvida, siga a figura abaixo:



Agora é só clicar em Run e rodar a aplicação. Quando o emulador Android é executado, abre junto com ele uma caixa de dialogo, conforme a figura abaixo.

Normalmente, eu desmarco a opção “Send usage statistics to Google” e clico em “Proceed”.


Pra vocês que estão executando pela primeira vez o emulador do Android, vê que o emulador é uma espécie de IPhone vermelho com umas teclas ao lado. No início mostra o título Android. Depois, vem aquela bolinha vermelha que fica batendo de um lado para outro, quando chega essa parte, normalmente demora em torno de 2 a 10 minutos (dependendo da sua máquina. É recomendável que você tenha no mínimo 512 MB de memória e um processador bem rápido para um bom desempenho da execução) para a aplicação ser exibida , mesmo sendo essa aplicação algo muito simples

Passado o tempo que citei acima, será mostrada a nossa aplicação e também duas mensagens (ou uma dependendo de alguns casos). Se aparecer, clique no botão “Force Close” ou com o mouse ou com o botão vermelho central situado no aparelho. Uma demonstração dessa situação situa-se na figura
abaixo:





Pronto, nossa aplicação está rodando sem problemas. Veja a figura abaixo:


Esse emulador já vem com uma série de recursos como Navegador, Aplicações de demonstração, Mapas, Lista de contatos e etc.

Se você neste exato momento fechou o emulador após a execução da aplicação, vou te dizer uma coisa: “Não era para você ter feito isso”. Se você esperou muito tempo para ver essa aplicação em execução, ao executar novamente a aplicação, você vai esperar o mesmo. Nessa situação, ao executar pela primeira vez o emulador, e caso vá executar outros programas, minimize o emulador ao invés de fechar, pois se você esperou muito tempo para executar esse programa, com ele minimizado, ao executar um outro programa, o eclipse vai fazer uso do emulador já aberto em vez de abrir outro, com isso, a aplicação levará em torno de 7 a 12 segundos em média para ser executada. Nunca esqueça isso!

Vamos modificar essa aplicação. Minimize o emulador e vamos abrir o arquivo “main.xml”. Na tag TextView que já havia explicado a vocês, possui um atributo chamdado android:text, onde nele defino o título que será exibido, modifique agora essa prorpiedade com o seguinte valor (título), conforme o código abaixo:

android:text="Fala cara, beleza ???"

Feito isso, salve a aplicação e execute novamente a aplicação. O resultado é mostrado abaixo:


Vamos fazer mais uma outra modificação na nossa aplicação. Abra novamente o arquivo main.xml, observe que ele possui um TextView certo ? Vamos colocar mais duas TextViews, a primeira TextView, no atributo android:text terá o título “Primeira frase”, o segundo TextView terá o título “Segunda Frase” e assim sucessivamente. Veja como ficará o código do arquivo main.xml :

<?xml version="1.0" encoding="utf-8"?>
<LinearLayout
xmlns:android="http://schemas.android.com/apk/res/android"
android:orientation="vertical"
android:layout_width="fill_parent"
android:layout_height="fill_parent"
>
<TextView
android:layout_width="fill_parent"
android:layout_height="wrap_content"
android:text="Primeira Frase."
/>
<TextView
android:layout_width="fill_parent"
android:layout_height="wrap_content"
android:text="Segunda Frase"
/>
<TextView
android:layout_width="fill_parent"
android:layout_height="wrap_content"
android:text="Terceira Frase???"
/>
</LinearLayout>

Feito isso, salve o arquivo e execute novamente a aplicação, o resultado é mostrado na figura abaixo:





E aeh, ta entendo aos poucos como se faz aplicações Android ? Com certeza sim! Na próxima, vamos aprofundar um pouco e fazer aplicações mais interessantes com o uso dos Widgets (componentes) existentes na plataforma Android.

Té mais galera!!! Abraços!!


Gostou? quer um Café??? então comente e diga o que achou.

Veja Também:
Desenvolvendo com Android Part III
Melhorias no Google Android
Skype Disponível para Android
                    Aula J2ME com Banco de Dados
                   Como funciona o Sistema Android?
                  Programação Móvel

Xml, linguagem de programação?





XML, do inglês eXtensible Markup Language, é uma linguagem de marcação recomendada pela W3C para a criação de documentos com dados organizados hierarquicamente, tais como textos, banco de dados ou desenhos vetoriais. A linguagem XML é classificada como extensível porque permite definir os elementos de marcação.

Linguagem de Marcação? 

Linguagem de marcação é um agregado de códigos que podem ser aplicados a dados ou textos para serem lidos por computadores ou pessoas. Por exemplo, o HTML é uma linguagem de marcação para organizar e formatar um website, já o XML tem o mesmo conceito, mas para padronizar uma sequência de dados com o objetivo de organizar, separar o conteúdo e integrá-lo com outras linguagens.

Principais Características do XML

O XML traz uma sintaxe básica que pode ser utilizada para compartilhar informações entre diferentes computadores e aplicações. Quando combinado com outros padrões, torna possível definir o conteúdo de um documento separadamente de seu formato, tornando simples para reutilizar o código em outras aplicações para diferentes propósitos.

Portanto, uma das suas principais características é sua portabilidade, pois, por exemplo, um banco de dados pode escrever um arquivo XML para que outro banco consiga lê-lo.


Aplicações

Alguns dos propósitos do XML são: auxiliar os sistemas de informação no compartilhamento de dados (especialmente via internet), codificar documentos e inserir seriais nos dados comparando o texto com o de outras linguagens baseadas em serialização.

Quando você recebe atualizações vindas de uma assinatura de RSS, isso só foi possível porque a fonte em questão disponibilizou um arquivo XML que pode fornecer o feed ao programa que fez a leitura instalado em seu computador.

W3C, ou World Wide Web Consortium, é um consórcio de empresas de tecnologia que visa padronizar a criação e interpretação de conteúdos para websites. Foi fundada em 1994 por Tim Berners-Lee, o criador da internet, para extrair o máximo que a rede pode oferecer.

Leia mais em: http://www.tecmundo.com.br/1762-o-que-e-xml-.htm#ixzz1QqwBARf7





  • Separação do conteúdo da formatação
  • Simplicidade e Legibilidade, tanto para humanos quanto para computadores
  • Possibilidade de criação de tags sem limitação
  • Criação de arquivos para validação de estrutura (Chamados DTDs)
  • Interligação de bancos de dados distintos
  • Concentração na estrutura da informação, e não na sua aparência
O XML é um formato para a criação de documentos com dados organizados de forma hierárquica, como se vê, frequentemente, em documentos de texto formatados, imagens vetoriais ou bancos de dados.
Pela sua portabilidade, já que é um formato que não depende das plataformas de hardware ou de software, um banco de dados pode, através de uma aplicação, escrever em um arquivo XML, e um outro banco distinto pode ler então estes mesmos dados.




Veja Também:

Vagas

Oportunidade JAVA - RIO DE JANEIRO

Enviado por: "WA - Seleção" selecao@wa.com.br   waselecao

Qui, 30 de Jun de 2011 10:42 am

Olá, bom dia! Estou com uma oportunidade de Analista Programador Java, segue o perfil: Analista desenvolvedor Java J2EE com conhecimentos em Spring, banco de dados Oracle e desenvolvimento para WEB. Desejável conhecimento de Maven, css, javascript e bibliotecas de script como jquery. Local: Rio de Janeiro Caso tenha interesse ou indicações, por favor, encaminhar currículo atualizado contendo pretensão salarial e disponibilidade para iniciar para talita.yokoyama@ wa.com.br  Obrigada.

Analista Programador JAVA Pleno

A TQI Consultoria, certificada CMM2 busca o seguinte perfil: Superior completo na área de Tecnologia - Entender análise de sistemas, arquitetura e análise orientada a objetos - Dominar a linguagem de programação Java (J2EE e J2SE) - Dominar a arquitetura MVC e desenvolver sistemas que a sigam - Habilidade para desenvolver aplicações J2EE complexas, usando EJBs, JMS, JMX, JDBC e Jboss - Conhecimento de comandos SQL básicos Desejável - Pós-graduação na área de TI - Certificação de Programador Java da Sun (SCJP, SCJD, SCWCD, SCBCD, SCEA) - Bons conhecimentos em Design Patterns, XML - Experiência com SCRUM ATIVIDADES: - Atuar no desenvolvimento de aplicações de BackOffice em time de scrum - Auxiliar no levantamento de requisitos e impactos - Implementar projetos em Java nas fases: planejamento, codificação, elaboração de testes, implantação e acompanhamento da alteração em produção Oportunidade PJ,valor hora entre R$40,00 e R$43,00 lOCAL DE TRABALHO: São Paulo-Faria Lima Att, Denise Martins Analista de RH

A TQI Consultoria, certificada CMM2 busca o seguinte perfil: Superior completo na área de Tecnologia - Entender análise de sistemas, arquitetura e análise orientada a objetos - Dominar a linguagem de programação Java (J2EE e J2SE) - Dominar a arquitetura MVC e desenvolver sistemas que a sigam - Habilidade para desenvolver aplicações J2EE complexas, usando EJBs, JMS, JMX, JDBC e Jboss - Conhecimento de comandos SQL básicos Desejável - Pós-graduação na área de TI - Certificação de Programador Java da Sun (SCJP, SCJD, SCWCD, SCBCD, SCEA) - Bons conhecimentos em Design Patterns, XML - Experiência com SCRUM ATIVIDADES: - Atuar no desenvolvimento de aplicações de BackOffice em time de scrum - Auxiliar no levantamento de requisitos e impactos - Implementar projetos em Java nas fases: planejamento, codificação, elaboração de testes, implantação e acompanhamento da alteração em produção Oportunidade PJ,valor hora entre R$40,00 e R$43,00 lOCAL DE TRABALHO: São Paulo-Faria Lima Interessados encaminhar currículo para denise.martins@ tqi.com.br Att, Denise Martins Analista de RH

Veja Também:

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Como Funciona o Hibernate???



Fala galera... Percebo eu que, para muitos, Hibernate é como se fosse Absinto....Muito escuta-se falar, pouco se sabe e quem ja usou diz que é MUITO bom!!! Então, hoje, vamos dar uma visão técnica da coisa...

Let´s Go!


Como o Hibernate funciona?

Hibernate é impulsionado por XML arquivos de configuração para configurar a conectividade de dados e classes mapa para tabelas de banco de dados com os quais precisa interagir. Esses arquivos XML contêm dados específicos de conexão, detalhes pool de conexão, as configurações de fábrica de transação, bem como referências a outros arquivos XML que descrevem as tabelas do banco de dados.


Quando desenvolvedor escreve o código para chamar API, a API chamada executa necessárias SQL em tempo de execução. Ao invés de uso de código de byte-processamento ou geração de código , o Hibernate usa reflexão em tempo de execução para resolver as propriedades persistentes de uma classe. Os objetos persistentes são definidos em um mapeamento documento, que descreve os campos persistentes e associações, bem como subclasses ou proxies do objeto persistente. Os documentos de mapeamento são compiladas no momento da aplicação de inicialização e fornecer a estrutura  as informações necessárias para uma classe.



No tempo de compilação de documentos de mapeamento, uma SessionFactory também é criado que fornece o mecanismo para o gerenciamento de classes persistentes, ea interface Session. A classe Session fornece a interface entre o persistente dados armazenados e os aplicação. A interface Session envolve uma conexão JDBC, que pode ser usuário de gestão ou controlado pelo Hibernate. Esta interface destina-se apenas utilizado por um único threadapplication. Isso significa que após a conclusão do sessão, aplicativo for fechado e descartado.


Hibernate Arquitetura

Ao contrário de outras tecnologias , o Hibernate fornece persistência como um serviço, e não como um quadro. Ele se integra perfeitamente com diversas arquiteturas de aplicativos .
Há dois comum (recomendado) arquiteturas podem ser vistos, incluindo o Hibernate como uma camada de persistência.

O diagrama a seguir descreve o Web Arquitetura (twotiered) de Hibernar Hibernate Arquitetura O diagrama acima mostra que o Hibernate está usando mapeamento XML para configurar a conectividade de dados para tabelas de banco de dados, e classes de mapa para a prestação de serviços de persistência (e objetos persistentes) para o aplicativo.

Para usar o Hibernate, é necessário para criar classes Java que representam a tabela no banco de dados e mapear a variável de instância na classe com as colunas no banco de dados. Uma vez que o mapeamento é completa, diversas operações como selecionar, inserir, atualizar e excluir os registros podem ser realizados pelo Hibernate na tabela de banco de dados. Hibernate cria automaticamente a consulta para executar essas operações. Também pode ser usado para persistir JavaBeans utilizados por servlets / JSPs na arquitetura Model View Controller (MVC).

Agora, o diagrama a seguir descreve a Empresa (três camadas) de Arquitetura Hibernate: O diagrama acima mostra que o Hibernate está usando o banco de dados e dados de configuração para fornecer serviços de persistência (e objetos persistentes) para o aplicativo .

Para usar o Hibernate, é necessário para criar classes Java que representa a tabela no banco de dados e então mapear a variável de instância na classe com as colunas no banco de dados. Em seguida, Hibernate pode ser usado para executar operações no banco de dados como select, insert, atualizar e excluir os registros na tabela. Hibernate cria automaticamente a consulta para executar essas operações.
Hibernate arquitetura tem três componentes principais:
  • Gerenciamento de conexão 
    Hibernate Connection oferecem serviços de gestão uma gestão eficiente das conexões de banco de dados. Conexão com o banco é a parte mais cara de interagir com o banco de dados, pois requer uma grande quantidade de recursos de abrir e fechar o banco de dados de conexão. 

  • Gerenciamento de transações: 
    Serviço de gerenciamento de transações oferecem a possibilidade de o usuário executar mais de um banco de dados de declarações de cada vez. 

  • Mapeamento objeto relacional: 
    Mapeamento objeto relacional é uma técnica de mapeamento a representação de dados a partir de um modelo de objeto para um modelo de dados relacional. Esta parte do hibernate é usado para selecionar, inserir, atualizar e excluir os registros formam a tabela subjacente. Quando passamos um objeto para um método Session.save (), Hibernate lê o estado das variáveis ​​desse objeto e executa a consulta necessária.
Hibernate é uma ferramenta muito boa, na medida do mapeamento objeto relacional é preocupação, mas em termos de gerenciamento de conexão e gerenciamento de transações, é falta de desempenho e capacidades.Por isso, normalmente hibernate está sendo usado com gerenciamento de conexão e transação outras ferramentas de gestão . Por exemplo apache DBCP é usado para o pool de conexão com o Hibernate.

Hibernate fornece uma grande flexibilidade no uso. É chamado de "Lite" arquitetura quando utiliza apenas o componente de mapeamento objeto relacional. Enquanto em "Full Cream" arquitetura todos os três componentes de mapeamento relacional de objeto, de gerenciamento de conexão e gerenciamento de transações) são utilizados.

Google +. Conheça o projeto que pretende desbancar o Facebook



Fala galera!!! Estou aqui para falar sobre o novo projeto revelado pela google que promete "desbancar com o facebook".... 

PROJECT NAME: GOOGLE +






Na data de ontem, 28/06, a gigante Google revelou seu mais novo segredo – e segredo mesmo, já que ficou muito bem guardado: um projeto, chamado de Google+, que tem tudo para bater de frente com o Facebook. Como eles mesmos dizem, querem trazer as nuances e a riqueza do compartilhamento da vida real para o software, ou seja, incluir seus relacionamentos e seus interesses em um único lugar.


+ CIRCULOS: Compartilhe o que é mais importante com quem é importante.





Compartilhar é ótimo, porém muitas vezes não queremos que um de nossos amigos receba o vídeo que estamos compartilhando. Com esta funcionalidade será muito mais fácil selecionar pessoas do nosso círculo e compartilhar com elas, e somente com elas, aquele vídeo.
“Da família aos colegas da escola, descobrimos que as pessoas já usam os círculos da vida real para se expressarem e para compartilhar de forma precisa com as pessoas certas. Assim, fizemos o mais lógico: trouxemos os Círculos para o software. Simplesmente crie um círculo, adicione pessoas e compartilhe novidades, assim como um dia qualquer.”

+ SPARKS: Inicie uma conversa sobre qualquer assunto.





Defina seus assuntos preferidos e deixe o +Sparks trazer até você o que realmente interessa. Notícias quentes, imagens divertidas, vídeos mais vistos e assim por diante. Perca menos tempo realizando buscas na internet e ganhe mais tempo para se divertir e ficar informado, esta é a proposta.
“Graças ao expertise do Google, o Sparks exibe um feed de conteúdos atraentes de todas as partes da Internet. Sobre qualquer assunto que você queira, em mais de 40 idiomas. É simples: adicione seus interesses e você sempre terá alguma coisa para ler e compartilhar com o círculo certo de amigos.”



+ HANGOUTS: Pare e diga oi cara à cara.







As videoconferências já são bem comuns no mundo corporativo. Já no nosso círculo de relacionamento com os atuais programas de mensagens instantâneas geralmente as chamadas de vídeo acontecem entre 2 pessoas, raramente são adicionadas mais pessoas à conversa. O Google+ quer acabar com esta situação e deixar você “dizer”: “Ei, tenho um tempo livre agora, fique a vontade para falar comigo.”
“Com o Google+ nós queremos fazer os encontros on-line mais divertidos, naturais e espontâneos e, por isso, criamos os Hangouts. Combinando encontros casuais com vídeos ao vivo, os Hangouts permitem que você pare quando for possível e passe um tempo com seus Círculos. Cara a cara a cara”

+ CELULAR: Compartilhe o que acontece agora sem complicações.





Um smartphone ou tablet com câmera, GPS e Conexão 3G ou Wi-Fi, pode ser um prato cheio para você ter uma das experiências mais bacanas do Google+. Você poderá mostrar para todos, ou alguns, as suas fotos tiradas naquele momento e ainda dizer em qual lugar do planeta com o +Instant upload e o +Local.
“Transferir fotos do celular para a Internet é muito complexo e, por isso, ninguém se dá ao trabalho de fazê-lo. Naturalmente que fotos foram feitas para serem compartilhadas e não esquecidas. Por isso, criamos o Instant Upload para garantir que nenhuma foto interessante deixe de ser compartilhada. Cada vez que você tira uma foto, e com a sua permissão, o Google+ a adiciona a um álbum particular on-line e a deixa disponível para todos os seus dispositivos. Prontas para serem compartilhadas quando você quiser. Com o Google+ você pode adicionar seu local em cada postagem (ou não, você decide).”

Veja Como Funciona

E o Orkut?

Segundo a Google, o Orkut será mantido. Palavras da empresa:

Usuários do Orkut, o Google continuará a trabalhar em aprimoramentos e recursos tanto para o Orkut quanto para o projeto Google+, pois ambos são muito importantes para os usuários.
“Acreditamos que a web se tornará cada vez mais social. Como o Orkut é a rede social número um do Brasil e tem sido muito bem sucedido, nosso objetivo é estender os novos recursos do Google+ para os usuários do Orkut conforme eles se tornam disponíveis.”
Fonte: Projeto Google+

Admin: Bruno

Olá Galera! muito grato por estarem acessando nosso blog. Espero que seja possível transmitir de forma compreensível um pouco de meus conhecimentos em programação, para esta comunidade de desenvolvedores que cresce cada vez mais! Espero que Gostem! Abraço! E meu enorme obrigado à Renato Simões, Átila Soares,Wanderson Quinto, Emerson e a toda galera que sempre ajudou meu sincero obrigado....
Especialmente a Natalia Failache e Rita de Cassia que sempre apoiaram este sonho....

De seu amigo Bruno Rafael.